Discoteca Básica; 'The Velvet Underground & Nico', The Velvet Underground (1967)

 

Discoteca Básica; 'The Velvet Underground & Nico', The Velvet Underground (1967)

Dizem que 1967 foi o ano em que "tudo aconteceu" - tudo sendo a linha divisória do psicodelismo, decretando o fim da música pop como reduto das fantasias ingênuas e adolescentes. No vinil, a marca incicatrizável é composta pelo "tripé básico" - "Sgt. Pepper's", dos Beatles, o primeiro dos Doors e o primeiro do Velvet Underground.

Os Beatles, fundindo contrapontos bachianos com filosofia oriental, não estavam (muito) distantes dos contrapontos jazzísticos com tragédia grega dos Doors. Em ambos está a aspiração a fazer Arte a partir do velho rock'n'roll. Já o "subterrâneo de veludo" (nome tirado de um barato livrinho pornô) trazia a metamorfose mais radical. Em miúdos: agressividade gratuita convivendo com o mais acre-doce lirismo, e o mais preto-branco realismo urbano. O que era LSD para John Lennon e Jim Morrison, era a heroína ("minha esposa/ minha vida", na faixa "Heroin") para Lou Reed. Nenhum papo de "all you need is love" nem "light my fire". "Botas de couro preto reluzindo no escuro/ Experimente o chicote", cantava Lou, ele também de couro preto e óculos escuros (na faixa "Venus in Furs", inspirada no romance homônimo de Leopold Sacher-Masoch). Qualquer semelhança com o punk ou com o David Bowie pré-Ziggy Stardust não é mera coincidência.

Compositor cativo de (tentativos) hits bobinhos - contratado para isso pelo Pickwick -, Lou Reed conheceu um galês muito estranho no ano de 64. Eles tinham em comum a formação erudita - Lou como pianista e John Cale como discípulo de vanguardistas como LaMonte Young.


Na concepção Velvet, Lou faria letras e vocais enquanto John cuidaria do baixo, dos teclados, dos arranjos e instrumentos esdrúxulos, como violinos e violas. Além disso, Lou e Sterling Morrison tocavam guitarra rítmica com tamanha demência e descompasso que, até hoje, 99% dos produtores jamais admitiram a dupla dentro de uma gravação "séria". Está aí a chave de um dos momentos mais picantes de "Velvet Underground & Nico". É a faixa "Run Run Run", que culmina num duelo de guitarras saturadas e distorcidas, raspadas com toda a força do punho - ou seja, a guinada anti-Hendrix que os punks "criaram" em 76 e que David Byrne dos Talking Heads enxugou e dilapidou para transformar em estilo. 

Em torno de Cale e Reed, arregimentaram-se as seguintes peças: o já citado Morrison e, suprema audácia, uma mulher baterista. Munida apenas de caixa, bumbo e um chimbau com pandeiro, Maureen "Mo" Tucker limitava-se a marcar o tempo com a seca displicência que faria Billy Cobham e similares darem meia-volta e fugir pela culatra.

Meses depois - no começo de 66 - o grupo passou a tocar toda semana no Café Bizarre, no bairro nova-iorquino de Greenwich Village. Foi aí que apareceu o artista plástico e catalisador em geral, Andy Warhol, que os integrou a seu show multimídia itinerante, o lendário Exploding Plastic Inevitable. Mais que isso, Warhol obrigou o Velvet a incorporar uma atriz e modelo alemã - a espectral e imóvel Nico - como cantora.

As quatro músicas que Nico canta no LP dão o perfeito contraste para o mundo das sombras descrito obsessivamente por Lou Reed. Na superfície, parecem até baladas da mais solar e melódica doçura. Chegue mais perto que dá para ver a lâmina. Como em "Sunday Morning", que Lou compôs quando Warhol o provocou para fazer uma letra sobre a paranóia - o velho albino a considerava o tema mais quente e universal do momento (isso no auge do "flower power"!). Um violão é delicadamente dedilhado, e o sotaque teutônico de Nico sussurra: "Cuidado! O mundo está atrás de você/ Há sempre alguém à sua volta."

José Augusto Lemos
(Revista Bizz 7,Fevereiro de 1986)

Apesar de hoje ser celebrado com um dos mais importantes e influentes discos de todos os tempos, este álbum foi um fracasso comercial na época. Um dos que se influenciaram pela sonoridade crua e densa do Velvet Underground foi David Bowie, ainda no início de carreira e em busca pelo seu som. 'Queen Bitch', uma das faixas do clássico LP 'Hunky Dory' foi inclusive dedicada a banda.

Tracklist;

Lado A
  1. Sunday Morning
  2. I'm Waiting for the Man
  3. Femme Fatale
  4. Venus in Furs
  5. Run Run Run
  6. All Tomorrow's Parties
Lado B
  1. Heroin
  2. There She Goes Again
  3. I'll Be Your Mirror
  4. The Black Angel's Death Song
  5. European Son

Clique nos marcadores para ir direto a música desejada;

Sunday Morning -- 00:00 - I'm Waiting for the Man -- 02:58 - Femme Fatale -- 07:40 - Venus in Furs -- 10:21 Run Run Run -- 15:35 - All Tomorrow's Parties -- 20:00  - Heroin -- 26:01 - There She Goes Again -- 33:16 - I'll Be Your Mirror -- 36:00 - The Black Angel's Death Song -- 38:15 - European Son -- 41:30

Mais informações;

This entry was posted on 13 de jan de 2014 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply