Discoteca Básica; 'Closer', Joy Division (1980)


Discoteca Básica; 'Closer', Joy Division (1980)

O Joy Division influenciou de maneira definitiva o rock da década de 80. A força de sua música consistia em resgatar o espírito soturno de preciosas antigüidades como Doors, Velvet e Stooges e aliá-lo ao som inovador feito por Bowie (na fase alemã) e Kraftwerk nos anos 70. Tudo isto dentro de um estilo próprio que, a princípio, lidava com elementos do punk, e depois evoluiu para uma espécie de antítese de heavy metal mesclada a sons sintetizados. Através de componentes sonoros "normais" e despojados, eles transformavam a soma de pequenas partes em um grande todo. 

Ian Curtis (voz), Bernard Albrecht, ou Sumners (guitarra e teclados), Peter Hook (baixo) e Stephen Morris (bateria) jogavam a última pá de terra sobre o romantismo do rock. Não há resquícios de "paz, amor e esperança" nas letras de Ian Curtis. Elas são apenas observações sobre a condição humana em um mundo dominado pela miséria e o desespero. 



Para forjar sua música, esta banda de Manchester contava com a produção de Martin Hannett, apresentado a eles pôr Tony Wilson, fundador da Factory Records. Hannett desenvolveu o som deles em estúdio e poderia ser considerado um quinto membro não-oficial da banda. Na pequena discografia do grupo, o ponto máximo é o LP "Closer" - "Mais perto" (cabe aqui a pergunta: mais perto do quê?). A banda sempre esteve envolta em uma aura de mistério que já estava resumida em uma frase impressa na contracapa de seu primeiro LP: "Isto não é um conceito, é um enigma". Tudo em "Closer" é enigmático. A capa, as letras e sobretudo o som. Se no primeiro LP, "Unknown Pleasures", a música soa densa e pesada, em "Closer" eles optaram por uma linha diferente. O disco foi gravado sob uma abóbada de estuque especialmente construída com a finalidade de conseguir a ressonância de uma capela. O som é vazio e distante, com ênfase em sintetizadores estranhamente colocados. A voz de Curtis, ainda mais cavernosa, vomita os versos de forma lúgubre e levemente desafinada. 


Não há indicação dos lados do disco no encarte ou no selo. Escolho um deles, o que começa com "Heart and Soul". Ian canta: "Instantes que podem trair-nos/ Uma jornada que conduz ao sol/ Sem alma e voltado à destruição/ A luta entre o certo e o errado". O clima se torna terminal em "Twenty four hours": "Apenas por um momento/ Ouvi alguém chamar/ Olhei além do dia presente/ E não havia nada lá afinal". Em "The Eternal", por entre baixo, bateria e teclados esparsos, Ian conduz um desfile de images bucólicas e fúnebres. A faixa que encerra este lado, "Decades", serve de tema e empresta seu primeiro verso como título do único vídeo da banda ("Here are the Young Men"), impressionante tanto pela falta de apuro técnico como pelas images do grupo ao vivo envolto em sombras. 

O outro lado é aberto pôr "Atrocity Exhibition", baseada num livro homônimo do escritor inglês J.G. Ballard, a quem Curtis admirava. Continua com "Isolation", um Mergulho nos abismos da solidão com versos como "Rendido à autodefesa/ Daqueles que só se preocupam consigo mesmos/ Mas quando a vida alcança a perfeição/ Ela se parece com todo o resto". Em "Passover", Ian tristemente finaliza: "Esta é a crise que eu sabia que vinha/ Destruindo o equilíbrio que eu tinha/ Encaro o próximo monte de mentiras/ E imagino o que virá depois". Depois vem "Colony", um elogio à loucura embalado em uma armação pseudo-heavy. Este lado termina com "A Means to an End", onde Curtis despede-se de maneira melancólica: "Uma casa em algum lugar em solo estrangeiro/ Aonde amantes magoados chamam/ É esta a sua meta, seus objetivos finais/ Aonde comem os cães e os abutres?/ Ainda posso e vou partir/ Eu confiei em você". Logo após ter completado este disco, Ian Curtis se enforcou em 18 de maio de 1980, aos 23 anos. Seria o fim do Joy e o começo de uma nova ordem. 

Celso Pucci (Revista Bizz Edição 24, Julho de 1987) 

Curiosidade; O sucessor de Unknown Pleasures, gravado no início daquele ano que parecia promissor [eles estavam às vésperas de fazer sua primeira turnê nos EUA], só seria lançado após a morte do protagonista. Assim, Closer transformou-se no testamento de uma estrela mítica, distante da realidade da indústria fonográfica e cuja luz atinge um sem-número de bandas até hoje.



Tracklist (Clique no atalho para ir diretamente a música que quiser);

1. Atrocity Exhibition 0:00
2. Isolation 6:05
3. Passover 8:52
4. Colony 13:45
5. A Means to an End 17:41
6. Heart and Soul 21:49
7. Twenty-Four Hours 27:41
8. The Eternal 32:07
9. Decades 38:15




Mais informações;


Postagens mais visitadas deste blog

Música + Cinema; 'Cadillac Records', (2008) (Torrent Download + OST MP3 Download)

As Favoritas de... Eddie Vedder (Pearl Jam)

Música + Cinema; 'Some Kind of Monster', Metallica (2004) (Download Torrent)