Discoteca Básica; 'A Love Supreme', John Coltrane (1965)


Discoteca Básica; 'A Love Supreme', John Coltrane (1965) 


Eleito "disco do ano" pela crítica especializada quando lançado, em 64, consagrado hoje por jazz rappers (na coletânea Red, Hot & Cool), A Love Supreme, a obra-prima de John Williams Coltrane (1926-1967), ultrapassa os limites de seu estilo e tem uma sintonia extraordinária com os anos 90. Talvez por ser um exemplo raro de expressão da espiritualidade na música moderna, Coltrane permanece a grande referência de todo músico interessado em desenvolver as técnicas de improvisação e, com isso, expressar "algo mais" por meio de seu instrumento.
   
Nos anos 50, John Coltrane cruzou seu sax tenor sucessivamente com os trompetes de Dizzy Gillespie e Miles Davis e com o piano de Thelonius Monk.Com o primeiro aprendeu a lidar com influências musicais do resto do mundo.Com o segundo,chegou à perfeição formal de sua expressão,enquanto o terceiro ensinou-lhe a ousadia.
Além de gravar discos tão importantes quanto Kind Of Blue (com Miles em 59), Coltrane forjou uma técnica musical revolucionária que lhe permitiu explorar tonalidades nas escalas altas e desencadear avalanches de harmonias em níveis inéditos.

Fruto do trabalho de aprimoramento em conseguir alcançar estados de puro transe obsessivo, essa técnica de execução: 1) levou o instrumentista a tocar solos cada vez mais longos; 2) fez com que os músicos de seu conjunto tocassem simultaneamente linhas melódicas diferentes, o que acabou desembocando no free jazz, movimento do qual Coltrane foi mentor; 3) facilitou as combinações de sua música com as escalas orientais, as texturas sonoras e os ritmos vindos da Índia e da África.

Alternando o sax tenor e o soprano a partir de 60, na busca de um leque maior de cores, Coltrane alcançou a plenitude artística ao formar seu quarteto definitivo: Elvis Jones (bateria), McCoy Tyner(piano) e Jimmy Garrison(baixo),algo expresso nas quatro peças de A Love Supreme,onde mescla a energia do bop e a suavidade do cool. Os temas criam uma nova ordem modal,onde silêncio,texturas e moods valorizam-se numa estrutura aberta,livre. Coltrane administra o caos para instaurar uma dimensão cósmica. Trinta anos depois, as possibilidades do disco ainda estão para ser exploradas, quando o pop enfrenta um tremendo impasse criativo.   

Jean Yves de Neufville (Revista Bizz, edição 118,Maio de 1995)

Tracklist;

01 - Acknowledgement.mp3 00:00:0002 - Resolution.mp3 00:07:43
03 - Pursuance.mp3 00:15:03
04 - Psalm.mp3 00:25:46
05 - Introduction By Andre Francis.mp3 00:32:49
06 - Acknowledgement (Live).mp3 00:34:03
07 - Resolution (Live).mp3 00:40:15
08 - Pursuance (Live).mp3 00:51:52
09 - Psalm (Live).mp3 01:13:23
10 - Resolution (Alt Take).mp3 01:22:12
11 - Resolution (Breakdown).mp3 01:29:37
12 - Acknowledgement (Alt Take).mp3 01:31:50
13 - Acknowledgement (Alt Take).mp3 01:41:00



Mais informações;

This entry was posted on 20 de jul de 2015 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply