Discoteca Básica; 'Every Picture Tells a Story', Rod Stewart (1971)


Discoteca Básica; 'Every Picture Tells a Story', Rod Stewart  (1971)

Poucos cantores de rock fizeram jus ao adjetivo "visceral" tanto quanto Rod Stewart. Mais que Robert Plant, Paul Rodgers ou Mick Jagger, ele soube absorver a urgência e o feeling de mestres negros americanos - como Sam Cooke - em um estilo pessoal, forjando uma voz fuliginosa e imediatamente reconhecível.

Hoje, quem o vê colecionando Lamborghinis talvez não suspeite de suas origens. Nascido em uma típica família working class londrina, mas orgulhosa da ascendência escocesa, ele se virou como pôde na adolescência: foi jornaleiro, coveiro, ergueu cercas e até jogou futebol. Mas sua paixão era mesmo a música. Foi por causa dela que Rod passou dois anos vagando como busker pela Europa, ocasião em que aprendeu a tocar banjo e a cantar.

De volta à Inglaterra, em meados dos anos 60, com a ascensão da cena do rhythm'n'blues, integrou bandas como Jimmy Dowell And The Five Dimension, The Hoochie Coochie Men, Steampacket, Shotgun Express e, finalmente, o Jeff Beck Group. Com o guitarrista, ele encarou pela primeira vez as grandes plateias, embate do qual saiu vitorioso para liderar os Faces. A partir daí, o cantor desenvolveria uma espécie de esquizoidia musical ao se ver contratado ao mesmo tempo por dois selos distintos: Mercury (como solista) e Warner (junto aos Faces). Enquanto seu grupo foi se tornando uma versão "glitterizada" dos Stones, Rod seguiu por uma via diferente: seus discos contrabalançavam material próprio com canções alheias - na maioria, itens obscuros, que ganhavam vida nova em vigorosas reinterpretações. A fórmula gerou ao menos três álbuns magistrais: "An Old Raincoat Won't Ever Let You Down" (69), "Gasoline Alley" (70) e o que é o objeto desta Discoteca Básica.

Como os anteriores, "Every Picture Tells A Story" foi pródigo em variedade de estilos. Lá se encadeavam soul da Motown - "(I Know) I'm Losing You" -, uma gema bruta da fase folk de Bob Dylan ("Tomorrow Is A Long Time"), um instrumental de tessitura medieval ("Henry"), originais mesclando trechos acústicos ao hard rock (a faixa-título e "Maggie May"), um leve aceno ao blues ("That's All Right") e até o hino inglês ("Amazing Grace"). Por mais díspares que parecessem, as músicas se nivelavam com o tratamento imposto por Rod. Nem pequenos deslizes na produção foram capazes de embaçar sua entrega e sinceridade.

Ainda assim, há quem diga que a superioridade da gravação sobre as demais feitas por ele deveu-se à sua perfeita interação com os instrumentistas convidados: Danny Thompson (ex- Pentagle) arrasava no baixo de pau e as guitarras de Martin Quittenton tinham um ótimo posicionamento. Sem esquecermos de Ron Wood, de Mick Waller (cuja técnica desconcertante na bateria teria levado o crítico Greil Marcus a recomendá-lo para um prêmio Nobel em Física!), do mandolinista Ray Jackson. É enfim, uma banda impecável, capaz de pressionar Rod a dar o melhor de si. Algo que, infelizmente, os anos de indolência no jet set internacional puseram a perder. 

Arthur G.Couto Duarte (Revista Bizz, edição 93, Abril de 1993)

Tracklist;



1. Every Picture Tells A Story [00:00]

2. Seems Like A Long Time [05:59]
3. That's All Right [10:00]
4. Amazing Grace [14:02]
5. Tomorrow Is A Long Time [16:03]
6. Henry [19:47]
7. Maggie May [20:18]
8. Mandolin Wind [25:36]
9. (I Know) I'm Losing You [31:11]
10. Reason To Believe [36:37]



Mais informações;

This entry was posted on 27 de jul de 2015 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply