Disco da Semana; '4', Los Hermanos (2005)

Disco da Semana; '4', Los Hermanos (2005)
O Los Hermanos chegaram ao quarto disco sendo chamada de 'a melhor banda do Brasil'. Será? Nesse quarto disco, a banda corre em direções opostas. Ou seja, Amarante e Camelo não falam mais a mesma língua.
Em '4', a banda defende com unhas e dentes a MPB em detrimento do rock. Obviamente, Marcelo Camelo, vocalista, guitarrista e principal voz dos Hermanos é quem dita essa rédea. Já na primeira, 'Dois barcos', o disco já mostra seu lado 'velho'. Lenta... Progressiva... MPB DEMAIS pro meu gosto...
Não que isso seja um problema, mas é esquisito pensar nessa pressa de chegar a um nível estranho. é um disco difícil logo na primeira faixa. 
Mas vamos pra segunda.
Bom, daí entra a velha e boa salvação da lavoura. Se na primeira faixa o disco navega pelo incerto, em 'Primeiro andar' vemos a trilha se retomar; a LINDÍSSIMA faixa é de, como de costume, Rodrigo Amarante, o barbudo ruivo responsável pela segunda guitarra e pela alma desordenada do quarteto. Letras desconexas, melodias perfeitas... Ele é tudo do que a banda precisa. É o que traz o som para o lugar certo. É até difícil comparar os dois compositores principais nesse disco; Se antes, Camelo respondia a Amarante com uma 'O vencedor', ou uma 'Adeus você', agora a resposta é 'Fez-se mar', uma bossa nova á moda antiga. Triste, cadenciada, baiana, Caymmi! Nunca pensei que escreveria isso, mas Camelo está envelheçendo rápido demais. Sim, a música é linda, perfeita para um namoro riponga. Ele definitivamente, negou-se a escrever canções fáceis, no sentido popular, e prefere a 'high-class'. Não duvidei muito ao vê-lo com um banquinho tocando numa casa chique qualquer.
E lá vamos pra outra delícia de Amarante. 'Paquetá' e seu ritmo salsa. Sua letra trôpega e bela. Lembra um pouco 'Retrato pra Iá-Iá', do 'Bloco do Eu Sozinho'. A cada audição do disco, todas as faixas que ficam na cabeça, que causam emoção, são as do ruivo. Uma competição implícita, que na minha opinião já está em dois a zero antes dos quinze do primeiro tempo.

'Os pássaros', outra de Amarante. Lenta, emocional. Meio praiana. Como lí numa matéria sobre a banda, esse é um disco perfeito pra se ouvir na praia quando está chovendo. É a mais pura tradução. Um dia de tédio entre amigos. É um disco extremamente alternativo, mas usa de todos os artefatos mais fáceis da música brasileira. Dicotomias interessantes e, ao meu ver, nada casuais.
Sexta faixa e Marcelo Camelo resolve fazer um pop. 'Morena' é deliciosa, assim como 'Samba á dois' do disco anterior, o perfeito 'Ventura'. Que aliás marca oma grande mudança em relação a este; Não ouvimos os sopros tão marcados pelo disco anterior. E apesar de sempre lindos, até agora, não fizeram falta nessa orquestra da simplicidade. Engraçado que, mais uma vez citando, a única coisa comparável a eles são seus próprios discos.
Começa o 'lado b' do disco. 'O vento', uma das melhores, é, de novo, de Amarante, numa letra inspiradíssia;'Como pode alguém sonhar o que é impossível saber... Não te dizer o que eu penso já é pensar em dizer'. Meio 60's. E outra frase da música resume um pouco as faixas de Camelo; 'Se a gente não sabe mais rir um do outro, meu bem, então só nos resta chorar'...
E depois dessa pepita preciosa, 'Horizonte distante' é de chorar mesmo. A pior faixa da banda. Um rock errado. Grosso, sem pegada. De letra e vocal horrível. Camelo não sabe mais sorrir.
Ufa! Demorou pra acabar. Realmente um pesadelo pensar se Camelo tomar 100% das rédeas para si. Só de ouvir a boba e singela 'Condicional' (cantada adivinhem por quem?), já esqueçemos o deslize da anterior. Lembra bastante 'Do Sétimo andar'. Mais uma letra linda e despretensiosa; 'Quis nunca te ganhar, tanto que forjei asas em teus pés'...
'Sapato novo' é linda. Convencionalmente linda. Pode escrever que será gravada por alguma diva da MPB. Uma puta letra romântica. Uma samba-canção quase cinematográfica. Triste é pouco para essa música que, na minha humilde opinião, é tão bem feita quanto qualquer uma de Tom Jobim. Podem tacar pedras... E se aqui ele se redime facilmente de 'Horizonte Distante', na próxima, 'Pois é', ele já convence do grande disco que fez. É a volta daquele compositor intenso de 'Ventura'. É arrastada, sim, mas é aquele arrastado 'Emo' de um Sunny Day Real Estate. O tipo de música que me fez gostar da banda em primeiro lugar.
'É de lágrima' é o perfeito fechamento de um disco como esse. Melancólica e velha. Silenciosa. Uma beleza apática. A mistura dos dois opostos propostos nesse disco. Uma letra ruim. Uma melodia lacônica. E um instrumental lindo. E isso é '4'. Jóia rara e de difícil compreensão. Maduro até demais.
Tão maduro que caiu da árvore. A parada da banda foi propícia e acertada. Os transformou em 'banda pra se ver' antes de decaírem artisticamente. As direções estavam realmente opostas.
Márcio Guariba (UmTemperamentalViveAqui!)
Tracklist;

01- Dois Barcos
02- Primeiro Andar
03- Fez-Se Mar
04- Paquetá
05- Os Pássaros
06- Morena
07- O Vento
08- Horizonte Distante
09- Condicional
10- Sapato Novo
11- Pois é
12- É de Lágrima


Mais informações;

Postagens mais visitadas deste blog

Música + Cinema; 'Cadillac Records', (2008) (Torrent Download + OST MP3 Download)

As Favoritas de... Eddie Vedder (Pearl Jam)

Música + Cinema; 'Some Kind of Monster', Metallica (2004) (Download Torrent)