Disco da Semana; 'Sonic Highways', Foo Fighters (2014)


Disco da Semana; 'Sonic Highways', Foo Fighters (2014)


Após o maior êxito da carreira do Foo Fighters, seria natural que o grupo, que nunca escondeu suas grandes aspirações no cenário mundial, trabalhasse com um passo adiante no lançamento seguinte. "Sonic Highways", que chegou ao público nesta segunda-feira (10) em todo o mundo, não escondeu essa pretensão. O disco, conceitual, contém oito músicas, cada uma gravada em uma cidade diferente dos Estados Unidos: Chicago, Washington D.C., Nashville, Austin, Los Angeles, New Orleans, Seattle e Nova Iorque.



O álbum é acompanhado de um documentário em série, "Foo Fighters: Sonic Highways", que mostra todo o processo de gravação. Em um trabalho praticamente antropológico, Grohl e companhia pesquisaram a história de cada município e tentaram imprimir um pouco dos locais nas composições - mais nas letras, menos nas melodias.

"Sonic Highways" mostra o momento mais sofisticado do Foo Fighters. A banda parece ter trabalhado em cada melodia, em cada gancho e em cada passagem como se fosse a última oportunidade. Nesse sentido, o álbum evidencia uma clara evolução do quinteto. O antecessor "Wasting Light" é genial, mas soa muito mais instintivo e carnal. Apesar disso, o novo álbum não tem um carro-chefe. Faltou um single, o que aparentemente não foi prioridade: os caras queriam fazer um disco completo. Só que um full-length precisa ter uma boa faixa de divulgação.



É possível perceber, também, que o Foo Fighters quer entrar para o rol de bandas de rock clássico. O grupo abandonou, em alguns momentos, a pitada alternativa que deu fúria a seus maiores hits. Alguns clichês roqueiros dos anos 1970, especialmente na guitarra, foram empregados. Enxerguei como positivo, porque novas sonoridades foram exploradas. Mas há um lado negativo, justamente por deixar a identidade de lado em certos trechos onde ela era pedida.

A parte das letras mostra um êxito. Dave Grohl nunca foi um bom compositor lírico. Sempre foi bom em falar de relacionamentos e criar um bom refrão que, mesmo aos berros, grudasse na cabeça. Ao longo das oito faixas, Grohl mostra intertextualidade ao fazer relações com todas as cidades que receberam o quinteto ao longo dos meses de produção. Curiosamente, as letras foram feitas pouco tempo antes das gravações das vozes, que é a última etapa do registro antes de partir para mixagem e masterização.

"Sonic Highways" é um passo adiante na carreira do Foo Fighters, que nunca se contentou em ser apenas uma banda de rock alternativo. A banda liderada por Dave Grohl quer penetrar de vez na lista de grupos de classic rock, com um projeto grandioso. A única dúvida que pairou na minha cabeça é: será que este era o momento da sofisticação de "Sonic Highways", ou seria mais sensato dar continuidade à crueza de "Wasting Light"?

Conscientemente, o Foo Fighters não optou pelo caminho mais confortável. Grohl relatou, em recente entrevista, que não faria algo como "Sonic Highways" novamente, por ter sido altamente trabalhado para os padrões do grupo. Mas a evolução do FF me pareceu sensata. Em alguns momentos precipitada, especialmente no final do disco, que é morno; porém, ainda assim, sensata. Só não espere digerir um disco de atmosfera tão complexa na primeira audição.





Tracklist;


01. 'Something from Nothing'
02. 'The Feast and The Famine'
03. 'Congregation'
04. 'What Did I Do? / God as My Witness'
05. 'Outside'
06. 'In The Clear'
07. 'Subterranean'
08. 'I am a River'





Mais informações;

This entry was posted on 14 de jul de 2016 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply