Discoteca Básica; 'Ogdens' Nut Gone Flake', Small Faces (1968)



Discoteca Básica; 'Ogdens' Nut Gone Flake', Small Faces (1968)


Dizem que um disco perfeito é aquele que serve como trilha sonora para um período. E se essa trilha se restringe apenas a um determinado local? Foi o que aconteceu com Ogden’s Nut Gone Flake, lançado em 1968 pela banda Small Faces. De saco cheio com a badalação em cima de Sgt. Pepper’s, dos Beatles, o grupo liderado pelo guitarrista e vocalista Steve Marriott elaborou um álbum tipicamente londrino para que os ingleses curtissem a ressaca do verão do amor.

O álbum representa também uma transição na carreira da banda,  formada em 1965, em torno das figuras de Marriott e de Ronnie Lane (baixo e vocais), dois viciados em música negra americana. Com o passar do tempo, porém, eles se interessaram por explorar seu passado inglês. Em vez de Muddy Waters e Motown, ouviam gente como George Formby (músico-comediante, uma espécie de Juca Chaves da terra da rainha). De maior banda mod da Inglaterra (aqueles caras que estavam por dentro de tudo e se vestiam de forma impecável), os Small Faces se tornaram uma espécie de apóstolos do rock de cabaré.
   
Ogden’s Nut Gone Flake traz uma mistura dessas influências e referências. Soul e psicodelia ainda estão presentes no som do Small Faces, mas diluídas em meio a um amalucado show de variedades londrino. Algumas das melhores canções que Steve Marriott e o recém-falecido Ronnie Lane escreveram estão neste álbum. A faixa-título, por exemplo. Trata-se de um instrumental atmosférico, cheio de phaser e outros efeitos. O disco segue com outras maravilhas, como a apaixonada balada "Afterglow", a cínica "Rene" e a otimista "Song Of A Baker".

O grande hit desse trabalho foi "Lazy Sunday". Com seu refrão no estilo de músicas que tocavam em pubs e vocal tão carregado e londrino que chega a ser incompreensível, a canção nos convida a um típico passatempo inglês: curtir o domingão sem fazer nada. Só que, no caso, com muito ácido na cabeça.

O lado B é preenchido por uma suíte chamada "Happiness Stan" - que foi dividida em seis partes. Para dar um clima verdadeiro de music hall, o grupo chamou para unir as faixas o comediante Stanley Unwin, que narra tudo de uma forma bem particular.

Ogden’s Nut Gone Flake foi o último momento de glória para os Small Faces. Depois do lançamento do álbum, a banda partiu para uma turnê pela Austrália, que ficou marcada por pouco público e muita zona entre os músicos. Marriott deixou o grupo de uma maneira original: no palco, enquanto os músicos improvisavam uma jam. Formou o Humble Pie ao lado de Peter Frampton e virou um ser errante durante anos até morrer num incêndio, em 1991.

Ronnie Lane, por sua vez, recrutou o guitarrista Ron Wood e o cantor Rod Stewart (ex-Jeff Beck Group) e mudou o nome do grupo para Faces. Depois trabalhou ao lado de Pete Townshend e de outros artistas até ser consumido pela esclerose múltipla - mal que o matou há pouco, em 4 de junho.

Ouvido hoje, Ogden’s Nut Gone Flake nos remete a uma época em que a juventude da Inglaterra começava a se orgulhar de sua cultura. Não é muito diferente do que anda acontecendo agora com Oasis, Blur e outros, certo? 

Paulo Cavalcanti (Revista Bizz, Edição 145, Agosto de 1997) 

Tracklist;

(00:00) 01. Ogdens' Nut Gone Flake
(02:28) 02. Afterglow (Of Your Love)
(05:58) 03. Long Agos And Worlds Apart
(08:33) 04. Rene
(13:02) 05. Song Of A Baker
(16:16) 06. Lazy Sunday
(19:24) 07. Happiness Stan
(22:58) 08. Rollin' Over
(24:51) 09. The Hungry Intruder
(27:06) 10. The Journey
(31:16) 11. Mad John
(35:34) 12. Happy Days Toy Town


This entry was posted on 29 de ago de 2016 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply