Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Música + Cinema; 'The Commitments - Loucos pela Fama' (1991)

Imagem
Música + Cinema; 'The Commitments - Loucos pela Fama' (1991)  Um dos filmes mais bacanas dos anos 90, The Commitments rendeu um culto absurdo e uma banda "oficial" que vive tocando até os dias de hoje em excursões pelo planeta. Considerado um filme menor na carreira do cineasta Alan Parker, The Commitments - inspirado em um livro de Roddy Boyle - virou uma febre impressionante e a trilha sonora vendeu mais de 15 milhões de cópias. A história conta o nascimento de um grupo que se une para tocar soul music, mostrando a meteórica ascensão e mais meteórica ainda, queda. Do mesmo modo que possuíam uma química para tocar, os músicos se odiavam. E o ódio não era apenas fingimento - o cantor Andrew Strong, um gorducho de 17 anos e voz que lembra Joe Cocker - era considerado um escroto. Mas, Andrew e Maria Doyle Kennedy fizeram sucesso e conseguiram ter boas carreiras-solos e foi especulado até uma continuação do filme. Mas antes que eu conte toda a coluna no resumo, d

Shows completos; The Smiths, 'The Queen Is Dead Tour'; Ao Vivo em Laguna Hills, Irvine Meadows, California - 8 de Agosto de 1986 (Áudio)

Imagem
Shows Completos; The Smiths, 'The Queen Is Dead Tour'; Ao Vivo em Laguna Hills, Irvine Meadows, California - 8 de Agosto de 1986; E vamos com um download imperdível para os fãs de Morrissey e Johnny Marr! Smiths ao vivo na turnê do clássico ábum 'The Queen is Dead'! Esse show foi previamente lançado no popular Bootleg  "Thank Your Lucky Stars". Porém, houve um erro nesse bootleg. Lá, está descrito como sendo esse show em Irvine Meadows, quando na verdade, o que está naquele CD é o show no Universal Amphiteather. Então, essa pepita vale como ouro. Qualidade excelente de áudio, gravada diretamente da mesa de som. Confira o setlist; 1. Please, Please, Please Let Me Get What I Want 2. Still Ill 3. I Want The One I Can't Have 4. There Is A Light That Never Goes Out 5. How Soon Is Now 6. Frankly, Mr. Shankly 7. Panic 8. Stretch Out And Wait 9. The Boy With The Thorn In His Side 10. Is It Really So Strange? 11.

Discoteca Basica; 'The Idiot', Iggy Pop (1977)

Imagem
Discoteca Basica; 'The Idiot', Iggy Pop (1977) Uma escolha insegura. Afinal, os dois LPs com os Stooges são punk puro sete anos antes dos Sex Pistols. "Raw Power" (72) é uma escarrada anfetaminada na cara do flower power. O semi-pirata "Metallic K.O." é demência pura. O mundo dos espetáculos não via esse desprezo insolente pelo bem ou pelo "bem" desde as conferências vociferadas por Antonin Artaud, na década de 30. Segundo o Iggy de hoje, 39 anos de idade, talvez não precise mesmo ver de novo. Artaud morreu internado. Iggy foi salvo por David Bowie. Gravado nos estúdios Hansa (Berlim Ocidental) e do Chateau dÕHerouville (Paris), "The Idiot" tem, de fato, uma mão de Bowie além do que gostariam os raros radicais fãs do Iguana. Na famosa "centena básica", do New Musical Express só entrou o posterior, "Lust for Life". No lançamento, a crítica desceu a lenha, irritada pelo mesmo motivo.  O disco não esconde

Desconstruindo o Pop! Playlist 3 : 'One of These Days, I Was Wondering...'

Imagem
Desconstruindo o Pop! Playlist 3 : 'One of These Days, I Was Wondering...'

O Mundo Maravilhoso das Capas de Discos; 'Horses', Patti Smith (1975)

Imagem
O Mundo Maravilhoso das Capas de Discos; 'Horses', Patti Smith (1975) Foto e design de Robert Mapplethorpe O retrato simples em preto e branco na capa da Horses foi feita por Robert Mapplethorpe, Amigo, confidente e amante de Patti Smith nos anos setenta. Smith conheceu Mapplethorpe em seu primeiro dia em Nova York em 1967, e logo se tornaram amigos íntimos , mesmo compartilhando o quarto mais pequeno no Chelsea Hotel (como era tudo o que eles podiam pagar), onde eles iriam ficar acordado a noite toda e trabalhar em suas respectivas formas de arte. Mapplethorpe descreveu suas colaborações com Smith "É como tomar drogas , você está em um lugar abstrato e é perfeito". Na época da foto, em 1975, Smith estava se tornando bem conhecida no circuito underground de Nova York, junto com outras bandas como Blondie e Ramones. Ela costuma declamar suas poesias nos intervalos dos shows, principalmente, no lendário clube CBGB, berço do movimento

Discoteca Básica; 'Physical Graffiti', Led Zeppelin (1975)

Imagem
Discoteca Básica; 'Physical Graffiti', Led Zeppelin (1975) Uma escolha que pode contrariar muita gente entre as viúvas do Led que ainda hoje habitam o planeta. Afinal, não existe nenhuma razão para se excluir de qualquer "discoteca básica" os quatro primeiros LPs do grupo. Desde sua estréia em vinil, com "Led Zeppelin I" (68), o quarteto já traz todos os extremos para que aponta a gula estilística do maestro Jimmy Page - do rockabilly ao folk de raízes celtas, passando por blues épicos como tratores encharcados de combustíveis ilícitos. Sem contar, claro, com a cristalização do gênero que seria batizado como heavy metal (pelo que, talvez, a História nunca os perdoe). Seja como for, "Physical Grafitti" foi o único disco que eu me arrependi de ter jogado fora quando - há uns cinco, seis anos - tive um acesso de limpeza provocado pela audição ininterrupta de Talking Heads e Joy Division e pelos ideais do levante de 77. É verdade -