Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

Desconstruindo o Pop! Músicas de 2012

Imagem

Desconstruindo o Pop! Discos de 2012

Imagem
01. 'Boys and Girls', Alabama Shakes Do neo-soul rasgado que escorre dos vocais incomparáveis de Brittany Howard e pelo blues rock setentista das guitarras do duo Brittany/Heath Fogg, tudo faz parte de produção musical desse nosso presente revivalista, claro, temperado por uma nostalgia que transita entre o repetitivo e o sublime. Há durante todo o álbum uma marca da herança de heróis como Led Zeppelin, Otis Redding, Sly & Family Stone e até AC/DC. Uma trombada entre Jack White e Amy Winehouse. Um disco delicioso. 02. 'Caravana Sereia Bloom', Céu Esse constante posicionamento entre o passado e o presente faz com que as engrenagens do disco se movimentem de forma dinâmica e envolvente, com Céu, as histórias que a acompanham e os versos que ela constroi servindo como o grande combustível para o registro.  Caravana Sereia Bloom  é um convite a um passeio romântico, nostálgico e macambúzio, um misto de sensações empoeiradas, mas q

Disco da semana; 'To Be Kind', Swans (2014)

Imagem
Disco da semana; 'To Be Kind', Swans (2014) Quem poderia imaginar, após a dissolução do Swans em 1997, que o melhor ainda estava por vir? Depois de desenvolver sua carreira solo e tocar os Angels of Light, Michael Gira anunciou o retorno da banda em 2009 e, desde então, não apenas reviveu o som do Swans, como também o levou a outra escala de grandeza.  The Seer , o monstruoso disco duplo lançado em 2012, trazia mais de duas horas de música ao longo de onze faixas, uma das quais tinha mais de meia hora de duração – nem mesmo os momentos mais extremos da carreira do grupo podiam sugerir essa mudança rumo às durações extremas. Mas Gira e companhia continuam nessa direção em  To Be Kind , com resultados igualmente grandiosos. A capa de  The Seer  era escura com um lobo no meio. A de  To Be Kind  é clarinha, com um bebê em seu centro. Essa mudança visual, junto com o título, sugerem uma maior “gentileza” no som da banda, e por mais estranho que pareça,  To Be Kind  tem a

Música para sentir; 'Heaven Knows I'm Miserable Now', The Smiths (1984)

Imagem
Música para sentir; 'Heaven Knows I'm Miserable Now', The Smiths (1984) Algum de vocês já assistiu o filme 'Desconstruindo Harry', do mestre Woody Allen? Bem, para os que não assistiram, em dado momento, em forma de um pequeno conto, Harry (o personagem de Allen), nos conta uma história que havia criado á respeito de um ator que, um certo dia, fica literalmente embaçado, ou fora de foco, como ele gostava de frisar. Mesmo que todos o afirmassem que ele era o problema, ele insistia em fazer com que os outros revissem as suas opiniões, até chegar ao ponto de comprar óculos para os seus filhos, para que eles se adaptassem a nova realidade, ao invés de ele corrigir o seus problemas pessoais. Pois é, é exatamente assim que estou me sentindo. Você encontrou o seu 'ponto de equilíbrio'? Bom, essa tem sido a minha pergunta mais freqüente; Será que encontraremos, ou vamos ficar a vida inteira passando ou não chegando nos nosso limites? Na vida que eu levo,

Discoteca Básica; 'Songs for young Lovers', Frank Sinatra (1954)

Imagem
Discoteca Básica; 'Songs for young Lovers', Frank Sinatra (1954) Quem foi o dono da voz suprema da música popular americana do século 20? Alguns podem dizer que foi Elvis Presley, outros apostam em Louis Armstrong ou Billie Holliday. Mas os louros devem ficar mesmo para Frank Sinatra, que tombou aos 82 anos no último 14 de maio.  Sinatra foi um dos mais convincentes intérpretes de todos os tempos. Foi quem primeiro entendeu (depois de Bing Crosby) que o microfone não servia apenas para amplificar a voz, deveria ser usado como um instrumento. The Voice passava todas as sutilezas e implicações emocionais que cada canção exigia. Não por acaso, foi por meio de Sinatra que o grande público passou a conhecer e a compreender boa parte dos standards da canção americana.   É difícil pinçar de uma carreira que durou 50 anos um disco-chave para definiir a arte de Frank Sinatra. É sabido, porém. que a melhor fase do cantor é a da gravadora Capitol, por onde gravou en

Eu Estava Lá... Nação Zumbi (Direct TV Hall, 12/12/2003)

Imagem
Eu Estava Lá... Nação Zumbi (Direct TV Hall, 12/12/2003) Mais um deja vú aconteceu no Direct TV Hall. da primeira vez, com o Los Hermanos. Dessa vez com a Nação Zumbi. Bom, esse foi o terceiro e, infelizmente, o mais fraco show da banda que eu assisti (sem contar, o clássico lançamento de 'Afrociberdelia', presenciado por mim, de forma gratuita, alguns anos atrás). E justamente esse show, que deveria ser a cereja no bolo, já que a banda usou para a gravação de um DVD comemorativo de dez anos de banda. As músicas? Bom, na verdade, não há o que falar delas. Todas são ótimas e, agora que estou atualizado com o som da banda, são de meu total conhecimento. É verdade. Eu negligenciei eles durante um bom tempo, e quando assisti ao show do KVA, á uns dois meses, voltei a acompanhar a banda. Aliás, aquele era o show a ser gravado. Num clima de adoração e rave, as músicas pulsavam como um imenso remix. Já aqui, extremamente preocupados com a parte técnica, músicas furi